quinta-feira, 9 de março de 2017

Advogado tem calças queimadas enquanto defendia suspeito de provocar incêndio nos EUA

Bateria de cigarro eletrônico começou a soltar fumaça das calças de Stephen Gutiérrez em tribunal de Miami durante audiência. Advogado correu ao banheiro para jogar água no aparelho, que foi retido para investigação.


Um advogado de Miami teve que deixar rapidamente o tribunal no qual defendia um homem acusado de ter provocado um incêndio depois que começou a sair fumaça de suas calças, informaram nesta quinta-feira veículos de comunicação locais.
O advogado Stephen Gutiérrez, de 28 anos, explicou em seu retorno à sala que a fumaça procedia de um cigarro eletrônico que levava em um bolso da calça e que não se tratou de algo "preparado" para reforçar a defesa de seu cliente.
O incidente ocorreu justamente quando o advogado estava tentando convencer o júri que o automóvel de seu cliente, Claudy Charles, de 48 anos, tinha pegado fogo de forma espontânea, segundo disseram ao jornal "Miami Herald" algumas testemunhas dos fatos.
Gutiérrez foi até um banheiro do tribunal e jogou água na bateria do cigarro eletrônico para evitar que explodisse.
"Eu percebi que o calor se intensificou e abandonei a corte o mais rápido que pude, diretamente para o banheiro", relatou o advogado em uma declaração.
Gutiérrez disse que não foi algo preparado, mas, segundo a emissora de notícias "NBC 6", a polícia e a procuradoria estão investigando o incidente.
A bateria do cigarro eletrônico ficou em poder da Justiça para o caso de o juiz Michael Hanzman decidir declarar o jovem advogado em desacato.

G1 Mundo.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Desempregado descobre ser sócio de 5 empresas e ter dívida de milionária

Ele tem dívida de R$ 40 milhões em multas e impostos só em uma empresa.
Clebson descobriu caso ao não conseguir receber seguro-desemprego

Um tecelão desempregado, que mora em Campina Grande, no Agreste da Paraíba, descobriu que teve o próprio nome registrado como sócio de cinco empresas diferentes no Nordeste e teria uma dívida de R$ 40 milhões com o fisco. Por causa disso, Clebson Cavalcante não conseguiu dar entrada no seguro-desemprego.
Para o Ministério Público, ele foi vítima de um esquema de sonegação de impostos. O tecelão registrou um boletim de ocorrência e o caso está sendo investigado pela Polícia Civil.


Pelo cadastro da Receita Federal, Clebson é sócio de duas empresas em Queimadas e Campina Grande, na Paraíba; duas em Itambé e Timbaúba, em Pernambuco; e uma em Currais Novos, no Rio Grande do Norte. Todas são do ramo de distribuição de bebidas e alimentos.

Clebson se viu impedido de receber o seguro-desemprego e endividado. Só a empresa da qual ele seria sócio em Campina Grande tem um débito de R$ 40 milhões em multas e impostos.
"Eu nunca pensei que ia passar por isso na minha vida. Mas a gente nunca espera e acontece", lamenta o tecelão.


Sem trabalho e sem poder receber o seguro-desemprego, o tecelão estava sem dinheiro para pagar o aluguel da casa onde morava com a mulher e teve que voltar a morar com a mãe e o irmão. A esposa dele foi para a casa dos pais. "Está difícil porque estou separado da minha mulher também. A pessoa, quando quer casar, quer morar junto", comenta.

Fraude

Na Paraíba, são duas empresas. A primeira, a Varejão Dois Amigos Cestas Básicas Ltda., em Queimadas, está registrada em um endereço onde funciona um escritório de advocacia. A segunda é a distribuidora Atacadão de Bebidas Queiroz Ltda., que funciona em um depósito no bairro Estação Velha, em Campina Grande.

O promotor de Justiça de Crimes contra a Ordem Tributária, Romualdo Tadeu Dias, acredita que Clebson não tenha nenhuma relação com esses empreendimentos. "Ele nos informou que não conhecia as empresas, o seu domicílio tributário e, principalmente, apresentamos para ele os contratos sociais e ele não conhecia a assinatura dele", conta.

Para o promotor, Clebson foi vítima de um esquema de sonegação de impostos. "Alguém deve ter tido acesso à documentação dele, ter aberto essa empresa e fraudado o Fisco e, assim, também o nosso estado. O sonegador não dorme. Ele passa a vida procurando formas de burlar a Receita Estadual para ter aquele dinheiro fácil. Então, ele usa sempre outras pessoas, laranjas, para se locupletarem. O caso de Clebson não foi diferente", diz o promotor Romualdo Dias.


Respostas
A reportagem entrou em contato com o dono da empresa sediada em Campina Grande. Ele não quis gravar entrevista, mas disse que ficou surpreso com o nome de Clebson no contrato social da distribuidora e que não sabe como o nome dele foi parar lá. O proprietário também não reconhece o débito informado pela promotoria.

Os outros sócios da empresa que fica em Queimadas não foram localizados. Já o escritório de advocacia, que funciona no endereço dela, informou que não tem nenhuma relação com o empreendimento e que está no local há muito tempo.

g1

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Rio sobe rapidamente e desabriga famílias no município de Jordão


Alguns bairros do município de Jordão, no interior do Acre, estão foram atingidos pela cheia repentina do rio Jordão e os moradores começam a ser retirados de suas casas. De acordo com informações de moradores, Kaxinawá foi bairro mais tingido pela água.
Sem contar com os serviços da Defesa Civil, os moradores não informaram o nível que o rio atingiu nas últimas horas. Algumas ruas estão submersas. As famílias indígenas da do bairro Kaxinawá estão sendo retiradas. A energia elétrica foi desligada.

ac24HORAS

Lições do 'Atletiba' contra a Globo





O clássico de domingo, 19, entre Atlético-PR e Coritiba (o “Atletiba”) entrará para a história como um capítulo na luta contra o monopólio da Globo no futebol brasileiro. Os clubes negaram o péssimo acordo financeiro proposto pela emissora para transmitir a partida e decidiram exibir o jogo em seus canais no Youtube e Facebook.

Com a torcida nas arquibancadas e os jogadores prontos para o jogo, o inacreditável aconteceu: a Federação Paranaense de Futebol, a pedido da Rede Globo, impediu a transmissão da partida online. Só haveria jogo sem transmissão, em recado da Globo aos clubes “rebeldes”. Como os clubes não recuaram, a federação impediu a partida de acontecer.


Desde o horário das partidas às dez da noite, péssimo para os torcedores trabalhadores e para os próprios jogadores, a campeonatos estaduais inteiros “escondidos” das torcidas. Do financiamento extremamente desigual dos direitos de imagem dos clubes, que inviabiliza o crescimento das equipes menores, à invisibilização do futebol feminino.

A frase “quem paga a banda, escolhe a música” tem sido usada há tempos pelos comentaristas submissos à Globo para justificar esses absurdos das decisões do monopólio. Nesse “Atletiba” ficou muito claro o quanto essa lógica é prejudicial a todos os envolvidos no esporte: não importavam os direitos dos jogadores, dos clubes, nem dos torcedores presentes na Arena da Baixada; não importava o futebol – só o interesse da emissora estava valendo.

Muitos torcedores brasileiros têm questionado o monopólio midiático no futebol, com campanhas como a “Jogo dez da noite, NÃO!”, que chegou a diversos estádios pelo País. No ano passado, a “Gaviões da Fiel” protestou com faixas “Rede Globo, o Corinthians não é seu quintal” e “Jogo às 22h também merece punição”. A novidade agora é o enfrentamento do monopólio pelos próprios clubes.

Combater o monopólio da mídia no futebol é possível, como comprova a experiência argentina. Lá, o programa “Futebol para Todos” e a regulação democrática da comunicação audiovisual (a famosa “Lei de Meios”) reconheceram o direito à audiência dos eventos esportivos pela população e o futebol como patrimônio cultural nacional.

As transmissões passaram a ser realizadas em diversos canais e horários, incluindo a televisão pública, com transmissões online gratuitas em alta qualidade. Além disso, as cotas de TV foram redistribuídas, melhorando a competitividade do campeonato nacional. Infelizmente, esses avanços estão sendo agora atacados pelo governo neoliberal de Maurício Macri.

Pode a internet abalar o poder da Globo?

Os clubes propuseram como alternativa à transmissão televisiva a exibição por suas contas nas plataformas Youtube e Facebook. Mas, se a intenção é fazer frente ao monopólio da Globo, é importante apontar alguns limites dessa transmissão online.

Em primeiro lugar, há uma disparidade de acesso: apenas metade (51%) das residências brasileiras possuem acesso à internet, segundo a pesquisa TIC Domicílios 2015/CGI. Entre os usuários de internet, 31% não possuem acesso à banda larga. A mesma pesquisa revela que 97% dos domicílios brasileiros possuem televisão – com acesso a canais abertos.

Portanto, ainda é muito desigual no Brasil o alcance e o acesso possibilitado pela televisão aberta e pela internet. Essa desigualdade de acesso também se reflete entre as regiões do território brasileiro e nas distintas condições presentes nas cidades.

Outro limite está dado pelas plataformas escolhidas. Youtube e Facebook estão longe de ser plataformas livres. Pertencem a grandes empresas estadunidenses que estão concentrando a produção e circulação de informações nas redes.

Eles são novos “porteiros” digitais, decidindo o que desejam censurar, o que nós podemos visualizar, quais informações terão ou não destaque. Transferir a concentração do controle da informação dos conglomerados da radiodifusão para os conglomerados de internet seria apenas mudar os donos do monopólio.

É preciso pensar políticas que democratizem efetivamente a comunicação, considerando a realidade do território brasileiro. Vale lembrar que a televisão aberta – caso da Globo – é uma concessão pública, que deve atender ao interesse público e cumprir regras previstas em nossa Constituição. 

Para além do futebol

A Globo segue agindo como a péssima “dona da bola” do futebol de rua**. A emissora mandou seu recado: ninguém poderia contrariar uma decisão do monopólio. Desta vez, no entanto, os clubes enfrentaram o canal e deram um exemplo de que é possível dizer não e lutar contra os danos do monopólio ao futebol nacional.

Aos que começaram a perceber os prejuízos do monopólio da Globo ao futebol, é preciso, também, fazer um alerta: os danos de uma mídia monopolizada vão muito além do esporte. Nossos direitos de cidadãos são ignorados ou atacados como os direitos dos torcedores no “Atletiba”.

O controle dos discursos em circulação tem permitido aos monopólios sustentar golpes de estado, invisibilizar e criminalizar movimentos sociais e pautas de direitos humanos, defender políticas danosas aos mais pobres, criminalizar a juventude negra das periferias, entre tantos outros problemas. A diversidade cultural, regional, étnica e sexual presentes em nosso país são tão prejudicadas pelo monopólio quanto o futebol.

Que o “Atletiba” seja o início de uma resistência em defesa do futebol e da comunicação como direitos de todos. Precisamos ampliar essa resistência e o combate ao monopólio midiático, dentro e fora do futebol.

* Em nota, o SporTV se isentou da responsabilidade no episódio de ontem, apesar de evidências de que a partida não ocorreu por conta da tentativa de transmissão via internet, segundo disse o 4º árbitro do jogo.

* André Pasti é doutorando em Geografia Humana na USP, professor do Cotuca/Unicamp e integrante do Coletivo Intervozes.



Por André Pasti, na revista CartaCapital:

domingo, 19 de fevereiro de 2017

“É hora de assumir a corrupção do PT”, diz Humberto Costa




O senador Humberto Costa (PT-­PE) foi ministro da Saúde do governo Lula, esteve no olho do furacão durante a prisão de Delcídio do Amaral, o ex-petista preso tentando obstruir a Lava-Jato, e durante o traumático processo de impeachment da correligionária Dilma Rousseff. Atuou na linha de frente para amparar o que restou do PT e era o líder do partido no Senado até duas semanas atrás. É, portanto, um petista do núcleo duro da legenda — e, também, a primeira voz autorizada a dizer publicamente, como fez em entrevista a VEJA, que chegou a hora de o PT admitir que se envolveu em corrupção, pedir desculpas à sociedade pelos erros que cometeu, abandonar o discurso de “denúncia do golpe” e apresentar propostas econômicas para tirar o país do atoleiro. “A autocrítica é necessária, essencial, mas não é suficiente”, afirma.Para ler a entrevista na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOSAndroid ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

À espera do dono, cão faz ‘vigília’ em frente a hospital em Limeira, SP

Animal acompanhou paciente de 30 anos dentro da ambulância.
Homem deu entrada no local na manhã de quarta (15) e está na UTI.



Cão aguarda dono que está internado em UTI de hospital de Limeira (Foto: Reprodução Facebook/Alpa)Cão aguarda dono que está internado em UTI de hospital de Limeira (Foto: Reprodução Facebook/Alpa)
O cachorro Marronzinho se tornou um exemplo de lealdade em Limeira (SP) e deu significado aos moradores para a expressão popular “melhor amigo do homem”. Desde às 11h de quarta-feira (15), ele faz "vigília" na porta de um hospital da cidade à espera de seu dono, um morador de rua de 30 anos que está na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI).
Cachorro acompanhou morador de rua dentro de ambulância (Foto: Reprodução Facebook/Alpa)
Cachorro acompanhou morador de rua dentro de
ambulância (Foto: Reprodução Facebook/Alpa)
O animal ficou conhecido quando uma equipe médica foi chamada para atender um morador de rua. De acordo com o depoimento de um dos médicos que prestou atendimento à vítima, ao ver o homem ser socorrido, Marronzinho entrou em desespero e pulou dentro da ambulância com o dono.
No hospital, que fica no Jardim Nova Itália, o cão tentou entrar no local várias vezes enquanto o morador de rua aguardava na área de emergência. Desde que o homem foi encaminhado para a UTI, ele “deitou próximo à porta de entrada, ficou comportado e aguarda a saída do homem”, diz relato do médico no Facebook, que até às 10h40 de quinta-feira (16) teve 389 compartilhamentos.
Cuidados e cartaz
Marronzinho recebeu ração, água e carinho dos funcionários do hospital. Na parede, próximo ao local onde o cão fica, os trabalhadores fixaram um cartaz pedindo para que as pessoas não maltratem o animal, pois ele pertence a um paciente.
A Associação Limeirense de Proteção aos Animais (Alpa), que divulgou vídeo no Facebook com elogios à equipe do hospital e imagens de Marronzinho, prestou atendimento veterinário ao cachorro na noite de quarta-feira.
Funcionários da entidade disseram que ele está debilitado, mas optaram por deixá-lo no local para não causar tristeza ou depressão no animal. O paciente teria sido diagnosticado com pneumonia, mas a informação não confirmada pelo hospital, que também não informou o estado de saúde do paciente.
Cartaz colocado em hospital onde cão espera dono em Limeira (Foto: Reprodução Facebook/Alpa)Cartaz colocado em hospital onde cão espera dono em Limeira (Foto: Reprodução Facebook/

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

DECRETO Nº 23 DE 08 DE FEVEREIRO DE 2017 (CONVOCAÇÃO CONCURSADA DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE


Prefeito Chico Batista assinou o decreto
O prefeito em Exercício Chico Batista assinou na manhã desta quinta feira, 9 de fevereiro, o Decreto Municipal Nº 23, nomeando os servidores concursados da secretaria municipal de saúde, para os quadros de pessoal efetivo do Município. Todos foram classificados no último certame, os quais ingressarão nas referências, padrões e/ou classes iniciais das respectivas carreiras. 

Nessa primeira chamada estão sendo convocados 98 servidores para suprirem as vagas na secretaria de saúde. A demanda foi levantada logo após o encerramento do recadastramento dos servidores municipais realizado pela secretaria de administração. O restante dos concursados deverá ser convocados de acordo com as necessidades do município.

Leia o Decreto na íntegra.

ESTADO DO ACRE 
MUNICÍPIO DE TARAUACÁ 
GABINETE DO PREFEITO 

DECRETO Nº 23 DE 08 DE FEVEREIRO DE 2017. 

O PREFEITO DE TARAUACÁ, em exercício, no uso das atribuições que lhes são conferidas por Lei, em especial o art. 7º, da Lei no 847/2015, e 

CONSIDERANDO, o resultado final do Concurso Público de nº 001/2016, para provimento de vagas em cargos de nível fundamental, médio e superior do Poder Executivo Municipal, homologado pelo Decreto de nº 17/2017, de 18 de janeiro de 2017, publicado no Diário Oficial do Estado no dia 24 de Janeiro de 2017 de nº 11.980, fls. 60; torna público a convocação para inspeção médica, entrega de documentos dos candidatos a seguir relacionados:

RESOLVE:

Art. 1º. Nomear, para os quadros de pessoal efetivo do Município, os servidores a seguir relacionados, para os cargos para que foram classificados, os quais ingressarão nas referências, padrões e/ou classes iniciais das respectivas carreiras:

Agente Comunitário de Saúde (área I)
Unidade de Saúde Maria da Luz (Senador Pompeu)
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
310531
Veronilce Ribeiro Almeida
310531
311065
Jose Roniere Araujo De Souza
311065

                                                                                             
Agente Comunitário de Saúde (área II)
Unidade de Saúde  Maria Francisca da Costa Cabral (Senador Pompeu)
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
310477
Raimunda Da Silva E Silva
Não
Não
299938
Maria De Fatima Oliveira Da Silva
Não
Não
310586
Francisca Das Chagas Da Silva E Silva
Não
Não
307617
Romildo Da Silva Lima
Não
Não
31º
305049
Vaulene De Lima Araujo
Não
Sim
300396
Maria Edenilza De Souza Nascimneto
Não
Não


Agente Comunitário de Saúde (área III)
Unidade de Saúde Maria Espanhol da Silva (Triângulo)
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
299510
Francisco Rone Arruda Maia
Não
Não
299201
Maria do Livramento Silva
Não
Não
306050
Mirian Nascimento de Castro
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área IV)
Unidade de Saúde Dr. José Leôncio Gomes Rodrigues (Avelino Leal)
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
309312
Elione do Nascimento Nobre
Não
Não
304779
Maria Sirlene de Araújo Brandão
Não
Não
309222
Franscisco Jarbas Ferreira Lopes
Não
Não
4
308698
Estefany Cristiny Figueiredo da Costa
Não
Não
299468
Francisca Radige da Silva E Silva
Não
Não


Agente Comunitário de Saúde (área V)
Unidade de Saúde 24 de Abril – Bento Marques (Cohab)
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
308739
Mazani Carol da Silva Albuquerque
Não
Não
299824
Alicia Sombra De Souza
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área VI)
Unidade de Saúde Padre Hubert Groshein (Centro)
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
307608
Diana Maria de Sa Oliveira
Não
Não
309160
Elivane Pereira Mourão
Não
Não
3º
305194
Antônia Beatriz de Albuquerque Silva
Não
Não
304790
Marlon Silva Da Cunha
Não
Não
Agente Comunitário de Saúde (área VII)
Unidade de Saúde Marília Vieira de Lima Souza (Corcovado)
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
304335
Marcos Adriano Da Silva E Silva
Não
Não
299769
Joana Rosa Dos Amauacas Gomes
Não
Não
3º
298664
Uarlen da Silva Pereira
Não
Não
298087
Rosimeire Silva E Silva
Não
Não
49
301112
Wesley Maciel Soares
Não
Sim
305024
Wilson Da Conceição Araújo
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área VIII)
Unidade de Saúde Padre Hubert Groshein – II
Microárea  - Alagoas
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
310452
Roberto de Souza Silva
Não
Não


Agente Comunitário de Saúde (área VIII)
Unidade de Saúde Padre Hubert Groshein – II
Microárea  - América
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
297913
Fabio Souza Do Nascimento
Não
Não


Agente Comunitário de Saúde (área VIII)
Unidade de Saúde Padre Hubert Groshein – II
Microárea  - Esperança
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
300819
Antônio De Jesus Souza
Não
Não


Agente Comunitário de Saúde (área VIII)
Unidade de Saúde Padre Hubert Groshein – II
Microárea  - Estirão da Cruz
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
302469
Roberto Carlos Elias Lima
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área VIII)
Unidade de Saúde Padre Hubert Groshein – II
Microárea  - Joaci
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
302469
Maria Antônia Ferreira Ribeiro
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área VIII)
Unidade de Saúde Padre Hubert Groshein – II
Microárea  - Minas
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
297445
Marcos André Melo Evaristo
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área VIII)
Unidade de Saúde Padre Hubert Groshein – II
Microárea  - Novo Destino
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
308635
Francinei Dantas Araújo
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área VIII)
Unidade de Saúde Padre Hubert Groshein – II
Microárea  - Socó
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
305203
Giliarde Da Silva Lima
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área VIII)
Unidade de Saúde Padre Hubert Groshein – II
Microárea  - Taboca
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
298313
Marcos Luzanira Braga
Não
Não
Agente Comunitário de Saúde (área VIII)
Unidade de Saúde Padre Hubert Groshein – II
Microárea  - Tamandaré
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
310418
Antônio Mariano Vieira Da Silva
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área VIII)
Unidade de Saúde Padre Hubert Groshein – II
Microárea  - União
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
298561
Francisco Das Chagas Correia De Oliveira
Não
Não


Agente Comunitário de Saúde (área IX)
Unidade de Saúde João Wanderley da Silva
Microárea  - Iboaçu
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
301206
Marcos Andrade Lima
Não
Não
307928
Francicler Dos Santos Silva
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área IX)
Unidade de Saúde João Wanderley da Silva
Microárea  - Itamarati
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
299404
Francisco Das Chagas Da Silva Viana
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área IX)
Unidade de Saúde João Wanderley da Silva
Microárea  - Jacuípe
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
308668
Michelski Souza Da Silva
Não
Não
Agente Comunitário de Saúde (área IX)
Unidade de Saúde João Wanderley da Silva
Microárea  - Mucuripe
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
309612
Leila Alves de Souza
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área IX)
Unidade de Saúde João Wanderley da Silva
Microárea  - Pacuti
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
303175
Israel Freitas Feitosa
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área IX)
Unidade de Saúde João Wanderley da Silva
Microárea  - Paraíso
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
308757
Romildo Dos Santos Machado
Não
Não


Agente Comunitário de Saúde (área IX)
Unidade de Saúde João Wanderley da Silva
Microárea - São Pedro
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
299074
Maria Auxiliadora Rodrigues Ferreira
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área IX)
Unidade de Saúde João Wanderley da Silva
Microárea  - Vitória Nova
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
302331
Mirlene Vieira da Paixão
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área IX)
Unidade de Saúde João Wanderley da Silva
Microárea  - Vitória Velha
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
310721
Valdemiro Leão Malpartida
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área X)
Unidade de Saúde João Wanderley da Silva
Microárea:  Acuraua – BR 364 TK/CZS
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
298617
José Ezaquiel Santos De Sousa
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área X)
Unidade de Saúde João Wanderley da Silva
Microárea:  Acuraua - Rio Acuraua
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
299890
Antonio Inacio Felix Da Silva
Não
Não


Agente Comunitário de Saúde (área X)
Unidade de Saúde João Wanderley da Silva
Microárea:  Comunidade Arraia - Rio Acuraua
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
299217
Maria Ione De Oliveira Santos
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área X)
Unidade de Saúde João Wanderley da Silva
Microárea:  Comunidade Saudade - Rio Acuraua
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
310652
Adalberto Maciel de Souza
Não
Não


Agente Comunitário de Saúde (área X)
Unidade de Saúde João Wanderley da Silva
Microárea:  Gregório – BR 364 TK/CZS
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
306673
Francisco Nardson Rodrigues Da Silva
Não
Não
309773
Maria Antônia Da Silva Almeida
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área X)
Unidade de Saúde João Wanderley da Silva
Microárea:  Lomada – BR 364 TK/CZS
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
300048
Cleociana Da silva Carioca
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área X)
Unidade de Saúde João Wanderley da Silva
Microárea:  Rio Pardo – BR 364 TK/CZS
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
299539
Francisco Gustavo Da Rocha Guimarães
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área X)
Unidade de Saúde João Wanderley da Silva
Microárea:  Ser. Ave – Rio Gregório
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
308691
Antônio Francisco Fortunato Rego
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área X)
Unidade de Saúde João Wanderley da Silva
Microárea:  Taquari – BR 364 TK/CZS
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
302395
Antônio Do Carmo Bezerra Silva
Não
Não

Agente Comunitário de Saúde (área X)
Unidade de Saúde João Wanderley da Silva
Microárea:  Tauary – BR 364 TK/CZS
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
302335
Antonia Caisla Santos Barbosa
Não
Não


AGENTE DE ENDEMIAS
(médio)
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
298993
Dean De Farias Eleamen
Não
Não
305586
Dennis De Farias Eleamen
Não
Não
304941
Edson Assis De Araújo Junior
Não
Não
297614
Dailton Albuquerque De Farias
Não
Não
305441
Antônio Vasconcelos Da Silva Chistian
Não
Não
306481
Maikon Da Silva Feitoza
Não
Não
303301
Elcerlandia De Souza Mesquita
Não
Não
298974
Francisco Lima Rocha
 Não
Não

Auxiliar de Saúde Bucal (ASB)
(Médio Técnico)
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
306180
Marisangela Pessoa Da Silva Teixeira
Não
Não
303133
Wesley Da Silva Castro
Não
Não
298762
Maria Antônia Silva Da Silva
Não
Não

Cirurgião Dentista
(Superior)
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
305242
Barnaby Luis Guerra Bieberach
Não
Não
306619
Elizeu Pessanha De Souza
Não
Não
304725
Tereza Raquel Vianna Calmon
Não
Não
297346
Luis Rodrigues Da Cunha Neto
Não
Não
308087
Leticia Meneses Pereira
Não
Não
302899
Alyne Mayara De Souza Lima
Não
Não
307226
Aline Alves Sobral
Não
Não
298414
Rosceline Rodrigues Guimaraes Júnior
 Não
Não

EDUCADOR FISICO
(Superior)
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
297754
José Gaudêncio Da Costa Neto
Não
Não


ENFERMEIRO
(Superior)
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
297784
Pedro Henrique Macedo Leitão
Não
Não
306768
Everton Souza De Oliveira
Não
Não
299694
Alana Paula Da Cunha
Não
Não
307743
Aline Fernanda Silva Sampaio
Não
Não
310236
Gloria Maria De Oliveira Silva
Não
Não
305382
Hellen Maria De Oliveira Silva
Não
Não
307404
Mikeias De Menezes Lopes
Não
Não
300083
Marcela Do Vale Rodrigues E Silva
 Não
Não
297339
Tayrine Da Silva Aguiar



NUTRICIONISTA
(Superior)
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
307619
Haylla Kaliny Aguiar De Lima
Não
Não

FISCAL SANITÁRIO
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
308466
Morgana Quirino De Lima
Não
Não
305216
Raimundo Souza Freire
Não
Não
309857
Maria Socorro Saraiva De Oliveira
Não
Não

TÉC. DE ENFERMAGEM
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
305432
Ana Paula Correia De Oliveira
Não
Não
304354
Andreia Nascimento Correia
Não
Não
303678
Jose Sales Da Silva
Não
Não

TÉC. DE ANÁLISE CLÍNICAS
(Médio Técnico)
Posição
Nº Insc.
Candidato
Vaga P.N.E
Vaga Afro
297848
Anderleia Da Costa Moreira
Não
Não


Art. 2º. Os candidatos deverão providenciar, às suas expensas, os exames a seguir especificados: a) Avaliação cardiológica com ECG (eletrocardiograma) e Raio X de tórax, b) Avaliação Clínica com AST, ALT, Anti HB, Anti Hbc, Anti Hcv, Glicemia, Colesterol Total, Uréia, Creatinina e, c) Laudo Capacidade Física e Mental. 

§ 1º. Após obter todos os laudos médicos nas especialidades supracitadas, o candidato deverá se dirigir à Junta Médica Oficial do Município, que será designada pera esta finalidade, a ser sediada na Unidade Básica de Saúde “Joao Wanderlei da Silva”, situada na rua Justiniano de Serpa s/no, no dia 22 e 23 fevereiro de 2017, das 14h às 17h. Os candidatos convocados deverão comparecer munidos de todos os laudos exigidos, que deverão estar acondicionados em envelopes com o nome do candidato e o cargo.

§ 2º. O candidato deverá comparecer para inspeção médica, munido de documento de identificação original, sendo assim considerados para esta finalidade carteiras expedidas pelos Comandos Militares, pelas Secretarias de Segurança Pública, pelos Institutos de Identificação e pelos Corpos de Bombeiros Militares; carteiras expedidas pelos órgãos fiscalizadores de exercício profissional (ordens, conselhos e outros); Passaporte Brasileiro; Certificado de Reservista; carteiras funcionais do Ministério Público; carteiras funcionais expedidas por órgão público que, por lei federal, valham como identidade; Carteira de Trabalho; Carteira Nacional de Habilitação, de acordo com modelo aprovado pelo artigo 159, da Lei n° 9.503, de 23 de setembro de 1997

§ 3º. Por ocasião da inspeção médica, poderão ser solicitados novos exames, se necessários, para a conclusão do diagnóstico. Após a análise dos laudos comprobatórios, poderá ser emitido o Atestado de Sanidade e Capacidade Física e Mental do candidato. Caso o candidato deixe de entregar algum laudo médico não apresente outros exames solicitados pela inspeção médica oficial, não fará jus ao atestado de sanidade e capacidade física e mental, não sendo permitido a entrega, tampouco o recebimento de exames médicos fora do prazo estabelecido neste Edital.

Art. 3º. Superada a fase de inspeção médica, os candidatos considerados aptos, deverão comparecer à Secretaria Municipal de Administração, situada na rua Juvêncio de Menezes, no 395, Centro, nos dias 02 e 03 de Março de 2017, das 14h às 17h e apresentarem, conforme o caso, em original e cópia autenticada em cartório, os seguintes documentos: a) 2 (duas) fotos 3x4 recentes; b) Carteira de Identidade (original) e 1 (uma) cópia; c) CPF (original) e 1 (uma) cópia; d) Título Eleitoral (original) e 1 (uma) cópia; e) Certidão de que está quite com a Justiça Eleitoral (original); f) Certificado de Reservista (original) e 1 (uma) cópia; g) PIS ou PASEP (original) e 1 (uma) cópia, no caso de já ter sido empregado; h) Carteira de Trabalho (original) e 1 (uma) cópia (página com foto, qualificação civil e páginas de contratos); i) Última declaração do IRPF (Imposto de Renda de Pessoa Física) ou declaração de regularidade do CPF, junto à Receita Federal; j) Diploma de Conclusão de Nível Superior, requerido para o cargo, (original) e 1 (uma) cópia; k) Comprovante de Endereço atualizado (conta de luz, telefone ou outros) (original) e 1 (uma) cópia; l) Declaração que responde ou não a inquérito policial e a processo administrativo disciplinar (modelo disponível na Secretaria Municipal de Administração); m) Declaração de Acumulação de Cargo, Emprego ou Função Pública, participação em gerência ou administração de empresa privada, de sociedade civil ou exercício do comércio, exceto na qualidade de acionista, cotista ou comanditário (disponível cópia na Secretaria Municipal de Administração, situado à rua Juvêncio de Menezes, nº 408); n) Declaração de Dependentes (modelo disponível na Secretaria Municipal de Administração); o) Comprovante do número da Conta Corrente e da Agência do Banco que possuem convênio com a prefeitura; e p) Atestado de sanidade e capacidade física e mental, emitido pela Junta Médica (original), r) Auto-declaração dos candidatos que no momento da inscrição optaram pela cota de VAGA AFRO.

Parágrafo único. O candidato que deixar de apresentar qualquer dos documentos elencados neste artigo, será considerado inapto e exonerado incontinenti, ficando sem efeito a respectiva nomeação. 

Art. 4º. A data de assinatura do termo de posse ainda será definida até o final do mês de fevereiro de 2017, que será publicada em Diário Oficial do Estado. 

Art 5º. Este decreto entra em vigor nesta data, revogadas todas as disposições em contrário.

Tarauacá- Acre, 08 de fevereiro de 2017.

FRANCISCO FEITOZA BATISTA
Prefeito de Tarauacá

Assessoria de Comunicação